Financiamento Estudantil abre prazo para renovação de contratos

Depois que acabam o Ensino Médio muitos jovens vivem uma pequena faze onde tentam projetar-se para o futuro, imaginando em que área teriam mais facilidade em trabalhar e o que mais gostariam de fazer para então escolher um curso e iniciar uma graduação.

Grande parte desses jovens que querem começar uma faculdade pode ter vindo de uma família pobre, que não teria condições de pagar uma faculdade particular que nos dias de hoje é realmente muito cara e também a educação que recebeu em uma escola pública pode não ser suficiente para passar no vestibular de uma universidade pública.

Foi pensando nestes jovens que o Ministério da Educação resolveu renovar um programa de financiamento estudantil que existia desde 1999, mas ainda oferecia certas dificuldades, então, em 2010 este programa ficou conhecido como Novo FIES, ou Fundo de Financiamento Estudantil.

O Fundo de Financiamento Estudantil é destinado a estudantes que estejam matriculados em cursos presenciais em universidades que estejam com uma avaliação positiva (maior ou igual a três) no Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior – SINAES, e que estejam dentro das demais normas estabelecidas pelo MEC.

Caso sua faculdade esteja trancada; você já tenha sido beneficiado pelo FIES uma vez; esteja em atraso com o Programa de Crédito Educativo – PCE/CREDUC; o valor da mensalidade não tome pelo menos 20% da renda bruta (sem o desconto dos impostos) total do seu grupo familiar; e a sua família receba mais de 20 salários mínimos (o que no dia que esta matéria foi escrita representa R$ 14.480,00), você não poderá se inscrever no FIES.

Para participar você deve se inscrever em um processo seletivo onde a sua situação econômica será analisada a fim de descobrir se você precisa e merece mesmo o FIES, se você concluiu o Ensino Médio depois de 2010, será necessário você ter feito a prova no mesmo ano ou nos anos posteriores.

Depois que você for aprovado e avaliado o próximo passo será a contratação do financiamento, que deverá ser feita em até 10 dias depois de receber a validação da inscrição, essa contratação de financiamento pode ser feita no Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal, que geralmente estão presentes no próprio campus.

A porcentagem mínima de financiamento pelo FIES é de 50% podendo chegar a até 100% se sua renda familiar mensal bruta for inferior a dez salários mínimos, caso seja maior de dez e menor que quinze o máximo é de 75%, até vinte salários o máximo é de 50%. Caso você contrate o FIES no meio de um semestre, o valor que já foi pago será devolvido e o semestre contará normalmente depois que você começar a pagar.

Por exemplo: o estudante já faz faculdade, vai começar o segundo semestre e foi aprovado no Fies. A mensalidade custa R$ 600. Ele vai ter ajuda para pagar 50% (ou seja, R$ 300) e faltam sete semestres (42 meses) para ele terminar o curso. A taxa de juros é de 3,4%. Neste caso, o governo emprestaria R$ 12.600 para o aluno (300 x 42). Quando aplicados os juros, o valor do financiamento sobe para R$ 13.151. E o valor máximo de cada parcela a ser paga pelo estudante é R$ 114, por 138 meses. No final, o aluno paga R$ 4.081 de juros.

Se você quer saber se a sua universidade é apta a fornecer a possibilidade da obtenção do FIES clique aqui.

 

Post A Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *